From Instituto da Guerra

Ionia

“Rodeada por águas traiçoeiras, Ionia é composta por várias províncias aliadas dispersas ao longo do arquipélago gigantesco conhecido por muitos como as Primeiras Terras. Como a cultura ioniana vem sendo moldada há muito tempo com base na busca pelo equilíbrio em todas as coisas, a fronteira entre os reinos material e espiritual tende a ser mais flexível por aqui, principalmente nas florestas e montanhas selvagens.

Embora os encantamentos deste lugar sejam instáveis e suas criaturas sejam mágicas e perigosas, a maioria dos ionianos conseguiu levar uma vida próspera aqui durante séculos. Os monastérios cheios de guerreiros, as milícias provinciais e até mesmo o próprio continente foram o suficiente para mantê-los protegidos.”

A calmaria que circundava Ionia terminou há doze anos, quando Noxus atacou as Primeiras Terras. As tropas do império, as quais pareciam não ter fim, invadiram Ionia e só foram derrotadas muitos anos depois, e com grandes custos.

Agora, uma paz frágil paira sobre Ionia. Reações distintas à guerra acabaram dividindo a região – alguns grupos, como os monges Shojin e os Kinkou, procuram retornar ao isolamento pacífico e às tradições antigas. Já outras facções mais radicais, como a Irmandade Navori e a Ordem das Sombras, exigem a militarização da magia destas terras, a fim de criar uma nação unificada capaz de se vingar de Noxus.

O destino de Ionia se sustenta sobre um equilíbrio delicado que alguns estão dispostos a desfazer, mas todos, sem exceção, estão irrequietos, sentindo a energia da mudança sob seus pés.

Paraíso Espiritual

O continente Ioniano é um refúgio para aqueles que buscam evolução espiritual e iluminação. A magia permeia todas as partes de Ionia - seu povo, sua história e, acima de tudo, a própria terra. Todos os aspectos da vida ali estão em equilíbrio, com ainda muito a ser descoberto e explorado.

Aqueles que chamam este vasto continente de lar se esforçam para encontrar harmonia entre as diversas raças e habitats, muito mais antigos do que a maioria dos outros em Runeterra. Embora povoados principalmente por humanos e vastayas, alguns yordles e outros seres também fazem de Ionia seu lar. Existem muitos centros espirituais e escolas de iluminação em Ionia, embora nem sempre concordem sobre questões importantes.

Tais buscas deixam pouco tempo para pensamentos de imperialismo; os jônios têm sido historicamente extremamente pacíficos por natureza. Isso não significa, no entanto, que eles são indefesos ou incapazes de se defender.

É certo que Ionia tem uma história muito mais longa e rica do que qualquer alma viva poderia alegar conhecer. De fato, nas passagens de montanha mais remotas, a paisagem ainda está repleta de evidências de grandes guerras de eras passadas - mas em vez de limpar as ruínas, os jônios escolhem respeitar o que resta, mesmo que não entendam mais o que isso representa.

O Caminho para a Iluminação

Embora seja verdade que a harmonia é buscada pela maioria em Ionia, poucos estão tão longe nesse caminho a ponto de serem considerados seres verdadeiramente iluminados. Seus ideais são elevados, mas nem todos podem viver de acordo com eles, e os Ionianos podem ser tão movidos pelo ódio, luxúria, raiva e amor quanto qualquer Runeterráquio. Desde Hirana ao Placídio de Navori, há lugares de santuário abertos a quem procura compreender-se melhor.

Escolas de Conhecimento

Ionia é o lar de inúmeras escolas e templos, que treinam estudantes disciplinados em artes marciais antigas e filosofia esotérica. Mortais e graciosos, esses lutadores, magos, dançarinos e estudiosos passam anos em treinamento, esperando dominar seu ofício e buscar a iluminação.

Embora o berço de muitas formas especializadas de artes marciais, Ionia não mantinha exércitos permanentes. Em vez disso, as formas de batalha estão ligadas a diferentes filosofias, transmitidas com reverência e cuidado. Nas montanhas do nordeste, o mosteiro de Hirana tem sido um santuário para aqueles que procuram entender melhor sua conexão com o reino espiritual.

Durante e após a invasão noxiana, muitas dessas tradições foram abaladas. Interpretações extremas e radicais de suas crenças anteriores tornaram-se mais prevalentes à medida que cada praticante luta para entender o mundo após tudo o que testemunhou.

Irmandade Navori

A Irmandade Navori é um grupo ultranacionalista estabelecido durante a Invasão de Noxus. Embora eles pretendam defender seu povo de invasores estrangeiros, eles também aspiram controlar o continente sob uma regra, e estão dispostos a atacar e matar companheiros Ionianos que não se alinham com sua visão para Ionia - incluindo Irelia.

Ordem de Hirana

O Monastério Hirana é o lar de muitos monges habilidosos e iluminados. Seus adeptos são alguns dos mais devotos defensores da harmonia pessoal dentro de si mesmo. Embora os monges deplorem a violência, eles não são indefesos, pois são habilidosos o suficiente para desviar e redirecionar os ataques de um oponente. Em um ato de altruísmo, os monges acolheram Udyr e o ensinaram a controlar e controlar sua fúria animalesca... na maioria das vezes.

Ordem Kinkou

Os Kinkou são um clã antigo dedicado à preservação do equilíbrio. Ordem, caos, luz, escuridão - todas as coisas devem existir em perfeita harmonia, pois esse é o caminho do universo. A Ordem é liderada por um triunvirato de ninjas - Shen, Kennen e Akali - que defendem suas causas no mundo e cada um é encarregado de um dos três deveres sagrados: Observar as Estrelas, Percorrer o Sol e Podar a Árvore. No entanto, Akali deixou a ordem para seguir seu próprio caminho.

Ordem das Sombras

A Ordem das Sombras é um novo clã que se dedicou a aprender a arte proibida das sombras e matar qualquer um que se recuse a aprender. Seu líder, Zed, redescobriu essas técnicas antigas e as usou para assumir o Monastério Kinkou.

Ordem Shojin

O Monastério Shojin é o lar de monges pacíficos que há muito praticam as artes marciais de cura interior. Através da meditação, os monges são capazes de se recuperar de lesões a uma taxa elevada. Alguns desses sacerdotes também podem exibir atos de incrível força de vontade, como sofrer por semanas agonizantes de dor sem gritar.

Ordem Wuju

A arte de Wuju foi fundada na obtenção de consciência espiritual absoluta de si mesmo e de seu inimigo. Master Yi, o guardião desta arte ancestral, descende de uma das poucas tribos dedicadas à preservação de Wuju. Devido ao massacre de seus pais, Master Yi é agora o último mestre de sua arte. Ele prometeu manter o estilo Wuju vivo, ensinando a forma de arte a outros indivíduos, como Wukong.