From Instituto da Guerra

Ilhas das Sombras

“O que mais poderia atrair uma alma para esse lugar destroçado além da promessa de vida eterna e grande fortuna?”

Em tempos passados, as Ilhas das Sombras eram um reino deslumbrante, mas sua beleza foi despedaçada por um cataclismo mágico impiedoso. Uma Névoa Negra, densa e eterna, envolve agora permanentemente essas ilhas, e a própria essência da terra foi manchada e corrompida por uma feitiçaria maligna.

Os seres vivos que habitam as Ilhas das Sombras veem suas forças vitais serem drenadas lentamente, um fenômeno que atrai os espíritos insaciáveis e predatórios dos mortos. Aqueles que sucumbem dentro dos limites da Névoa Negra estão fadados a assombrar essa terra melancólica pela eternidade.

Para piorar, o poder das Ilhas das Sombras cresce a cada ano que passa, permitindo que as sombras da morte estendam seu alcance e colham almas por toda Runeterra. O ambiente sinistro e impregnado de magia malévola torna cada passo uma jornada sombria e arriscada, enquanto o próprio tecido da realidade é distorcido pela influência nefasta dessas ilhas amaldiçoadas. A Névoa Negra, como uma sentinela sombria, continua a se espalhar, lançando uma sombra inquietante sobre a terra que um dia foi radiante.

As Ilhas das Bênçãos

Num passado distante, muito antes da ascensão da Ruína, emergiram das profundezas do oceano uma cadeia de ilhas que, mais tarde, seria conhecida como As Ilhas das Bênçãos. Com o surgimento dessas ilhas, nasceu o espírito da natureza conhecido como Maokai, tomando a forma imponente de um ente.

Maokai percorreu essas ilhas em uma busca incessante pela vida, até que, em uma ilha montanhosa coberta por um solo fértil e rico, ele detectou uma magia sem limites nas profundezas do solo. Mergulhando suas raízes em uma fonte de água mágica e revitalizante, Maokai bebeu profundamente.

Das Águas da Vida, ele cultivou centenas de mudas, plantando-as com cuidado nas ilhas. Rapidamente, a terra floresceu com uma flora exuberante, toda impregnada pela magia maravilhosa. Espíritos da natureza foram atraídos pela vegetação exuberante, enquanto animais encontraram um paraíso na abundante vegetação.

Quando os humanos de uma cultura antiga que se expandia para o oeste finalmente alcançaram as ilhas, formaram uma sociedade iluminada e rica, composta por estudiosos dedicados à investigação dos mistérios do mundo. Embora Maokai desconfiasse da presença deles, percebeu o respeito deles pela magia profunda que permeava a floresta e, ocasionalmente, se revelava diretamente àqueles em quem confiava, abençoando-os com o conhecimento das ilhas verdejantes, inclusive revelando as Águas da Vida para alguns.

Com o tempo, estudiosos Vesani de Ionia chegaram às Ilhas das Bênçãos, intri­gados pela Névoa Sagrada que protegia as ilhas. Permitindo que os Vesani ficassem, os moradores locais contribuíram na construção de um cofre para as pesquisas dos visitantes. Os Vesani exploravam os efeitos da névoa nas memórias e conseguiram utilizar seu poder para encantar golems. Durante a estada na ilha, eles estabeleceram amizade com Maokai, ainda que fossem observados por um diretor conspirador.

Do Luto à Ruína

Em um império que ninguém lembra agora, residia Kalista, uma general e sobrinha do rei. Ela vivia por um código de honra estrito, servindo ao trono com a maior lealdade. Quando os inimigos do rei enviaram um assassino para matá-lo, Kalista salvou sua vida - mas ao fazê-lo, inadvertidamente, desviou a adaga revestida de veneno à rainha. Os maiores sacerdotes e cirurgiões foram convocados, mas nenhum conseguiu tirar o veneno de seu corpo. O rei despachou Kalista em busca de uma cura. Hecarim, que recentemente se tornou o comandante da Ordem de Ferro através de uma terrível traição conhecida apenas por ele mesmo, tomou o lugar de Kalista em sua ausência.

Kalista viajou muito, consultando eruditos, eremitas e místicos... mas sem sucesso. Finalmente, ela soube das Ilhas das Bênçãos e partiu em uma última viagem de esperança.

Os guardiões da capital, Helia, viram a pureza da intenção de Kalista e separaram as brumas protetoras das Ilhas para permitir sua passagem segura. Ela implorou para que curassem a rainha e conseguiu convencer os mestres da cidade à sua causa. Enquanto a rainha vivesse, ela poderia ser curada nas Águas da Vida. Kalista recebeu um talismã que permitiria que ela voltasse para Helia sem ajuda, mas foi advertida contra compartilhar esse conhecimento com qualquer outro.

Enquanto isso, quando o reino começou a declinar devido aos gastos e reclusão do rei, seus habitantes começaram a protestar contra sua obsessão. Louco de dor, Viego se enfureceu com aqueles que ele acreditava estarem tentando separá-lo de sua esposa moribunda, despachando Hecarim para reprimir a dissidência em todo o reino. A Ordem de Ferro queimou cidades e aldeias. Centenas foram postos à espada.

Quando a rainha morreu, o rei se trancou com o cadáver dela, mergulhando cada vez mais na loucura. Hecarim escolheu transformar a dor do rei em ódio, buscando liderar a Ordem de Ferro em terras estrangeiras. Ele vingaria a morte dela, enquanto ganhava ainda mais fama sombria para si mesmo.

Mas antes que eles pudessem sair, Kalista voltou. Quando o rei soube disso, ele exigiu saber o que ela havia encontrado. Ela admitiu que a cura que encontrara seria inútil. Viego não acreditou e prendeu Kalista como traidora da coroa.

Intrigado com o que ouvira, Hecarim visitou sua cela, e eles falaram das brumas pálidas que protegiam as ilhas de todos os invasores... e também da imensa riqueza dos habitantes, incluindo as lendárias Águas da Vida.

Sabendo que apenas Kalista poderia levá-los até lá, Hecarim finalmente a convenceu a guiar a frota do rei através do véu que escondia as Ilhas das Bênçãos, aproveitando-se de seu amor por seu tio, argumentando que, se viajassem para as Ilhas, Viego finalmente encontraria a paz. Hesitante, Kalista concordou.

E assim o rei partiu com uma frota de seus navios mais rápidos, contornando as brumas em seu desespero. No entanto, quando foram recebidos pelos mestres de Helia, eles não foram autorizados a passar. A morte, eles insistiam, era final. Trapacear seria quebrar a ordem natural do mundo.

Viego ficou furioso e ordenou a Kalista que matasse os guardiões. Ela recusou, e chamou Hecarim para ficar com ela... mas em vez disso ele enfiou sua lança em suas costas.

A Ordem de Ferro se juntou a ele, perfurando o corpo de Kalista uma dúzia de vezes mais enquanto ela caía. Um corpo a corpo brutal eclodiu, com aqueles dedicados a Kalista lutando contra os cavaleiros de Hecarim, mas seus números eram muito poucos. Enquanto observava seus guerreiros morrerem, Kalista jurou vingança com seu último suspiro.

Hecarim então ordenou que seus cavaleiros saqueassem a cidade, saqueando seus cofres de tesouros arcanos. Em meio ao caos, um humilde guardião concordou em conceder ao rei acesso às Águas da Vida.

O rei trouxe o cadáver de sua esposa para as águas sagradas. Fiel à sua natureza, elas trouxeram Isolde de volta à vida... isso através de seu coração.

A magia das águas e da espada antiga de Viego se chocaram, e a energia da câmara explodiu. Uma onda explosiva de força mágica atravessou Helia, destruindo todos os prédios e deixando os fragmentos suspensos em uma luz ofuscante. Em seu rastro veio a Névoa Negra, um furacão ondulante que arrastou todas as criaturas vivas que tocou em seu abraço ruidoso e turbulento. Hecarim tentou reunir a Ordem de Ferro, na esperança de voltar para seus navios, mas a névoa os reivindicou um por um enquanto fugiam.

Quando Hecarim foi tomado pela névoa, ele e seu poderoso corcel foram fundidos em uma abominação monstruosa e espectral que refletia a escuridão no coração de Hecarim - uma criatura descarada de fúria e rancor, como um com a Névoa Negra e ainda totalmente escravizado por ela.

A Névoa Negra

A Névoa Negra, densa mortalha que envolve as Ilhas e suas costas, uma vez foi a Névoa Abençoada, um encantamento mágico natural que protegia as Ilhas de invasores. Poucos, além dos nativos e alguns visitantes, sabiam como atravessar a névoa.

A presença mágica eliminava a necessidade de um exército permanente. Contudo, após a Ruína, a Névoa Negra transformou-se em uma prisão de almas, capturando qualquer ser vivo no momento da morte. Apenas as almas mais resilientes mantêm personalidade e desejos, escapando de suas garras.

As manifestações dessas almas que conseguem fugir da Névoa podem ser aniquiladas por ferramentas específicas ou por outros espíritos. Condenados a retornar à névoa, alguns permanecem lá por séculos, enquanto outros apenas por dias. Espíritos mais fortes podem usar a Névoa Negra para viajar, embora aqueles mais poderosos possam aventurar-se além das ilhas sem serem aprisionados.

Quando ocorre um Tormento, espíritos mais fracos conseguem se manifestar, e a Névoa Negra estende-se além das Ilhas. Legiões de almas, muitas delas constituindo a própria névoa, caçam os vivos. Apesar de os Tormentos poderem acontecer em qualquer lugar, são mais comuns em Águas de Sentina. Geralmente duram apenas uma noite, pois as almas condenadas são vulneráveis à luz solar e à luz purificadora.

Dentre das raras maneiras de libertar uma alma das garras da Névoa Negra é através do poder dos Nagacáburos ou através das Pedras Relicário dos Sentinelas da Luz.