From Instituto da Guerra

Freljord

"Quando olho para minha terra, eu vejo o que ela é, mas vejo também o que poderia ser. Próspera e abundante, não apenas para o meu povo, mas para todos que buscam a paz. Uma Freljord unida." - Ashe

Freljord, uma terra impiedosa e hostil, onde a arte da sobrevivência é ensinada desde o nascimento, moldando cada habitante em um guerreiro resiliente diante das adversidades.

Orgulhosas e incrivelmente independentes, as tribos locais são frequentemente rotuladas como selvagens e rústicas por seus vizinhos em Valoran. Desconhecidas são as tradições milenares que as definem, forjando seu caráter. Há eras imemoriais, a aliança formada pelas irmãs Avarosa, Serylda e Lissandra desmoronou em uma guerra que lançou a região de Runeterra em um inverno quase perpétuo, testando a resistência daqueles destinados ou capacitados a liderar, resistentes aos extremos de fogo e gelo.

Apesar dos esforços dos Praeglacius, mitos e lendas sobre deuses ancestrais, yetis enigmáticos e andarilhos espirituais persistem. Os saqueadores dos Garra do Inverno avançam a cada ano, trazendo desafios às fronteiras do norte de Demacia e Noxus. Em busca de um futuro mais pacífico, tribos e clãs independentes decidiram prestar vassalagem a Ashe, a jovem rainha dos avarosianos.

A Criação de Freljord

Muito antes da chegada das raças mortais, os semideuses manifestados de forças sobrenaturais formaram a terra que eles chamavam de Vorrijaard. Embora a verdade sobre como eles fizeram isso permaneça incerta, muitos contos foram transmitidos ao longo de gerações.

Nos dias das primeiras tribos, a magia selvagem era desenfreada. Os semideuses eram amplamente venerados e adorados. Uma população há muito perdida era conhecida como Sangue da Fornalha, aprendizes que viajavam de todos os cantos de Valoran e se reuniam nas encostas de Pedra-Lar para aprender com Ornn, semi-deus da forja.

Apesar dessa forma de adoração imitativa, Ornn nunca se considerou seu patrono. Ele apenas acenava com a cabeça ou franzia a testa quando eles ofereciam seu trabalho, e ainda assim o povo de Sangue da Fornalha aceitavam isso e estavam determinados a aprimorar suas habilidades.

Como resultado, eles criaram as melhores ferramentas, projetaram as estruturas mais robustas e prepararam as cervejas mais saborosas que o mundo já viu. Eles acreditavam que Ornn secretamente aprovava sua perseverança e o fato de que eles estavam sempre procurando melhorar em seu ofício.

Enquanto isso, grandes guerras foram travadas, e o Volibear, semideus da destruição, força e tempestade, entrou em campo ao lado de seus seguidores, vestido com uma armadura com inscrições rúnicas feita por seu irmão Ornn. Na época, o vínculo dos irmãos era forte - eles frequentemente lutavam um ao lado do outro, embora Ornn nunca tivesse o mesmo desejo de batalha. Volibear se deleitava com vitórias duramente lutadas e, à medida que mais oferendas de sangue eram feitas a ele, seu poder aumentava.

Com o tempo, eles se separaram, cada um focando em suas próprias atividades. Mesmo assim, não havia uma verdadeira divisão entre eles... até que novas idéias começaram a usurpar as velhas crenças.

As Três Irmãs

Em um tempo há muito esquecido, antes que as areias nascessem e depois engolissem Shurima, seres de magia antiga andavam livremente em Runeterra. As fronteiras entre o reino mortal e o que estava além dele eram muito contestadas.

Nesta era perigosa e volátil, Lissandra e suas irmãs, Serylda e Avarosa, nasceram. Três irmãs subiram ao poder, buscando controlar e impor a ordem em Freljord, e os semideuses não chegaram a um acordo sobre como proceder. Alguns, como Anivia, pareciam inclinados a trabalhar com as irmãs, enquanto Volibear e o Javali de Ferro queriam destruí-los. Outros teriam se contentado em ignorá-los completamente, já que essas criaturas débeis acabariam morrendo como todos antes deles.

Volibear olhou para os mais animalescos e selvagens de seus seguidores, conhecidos como Ursine. Com eles, ele derrotaria as três irmãs. Em preparação, ele procurou Ornn para armar seus guerreiros para a batalha.

Mas Ornn recusou. Ele não aprovava os modos selvagens do Ursine, e uma luta terrível eclodiu entre os dois semideuses. O cataclismo resultante foi uma tempestade de fogo, cinzas e relâmpagos tão intensamente violentos que foi visto a dez horizontes de distância. Na sequência, Volibear amaldiçoou o nome de seu irmão e rejeitou sua armadura com inscrições rúnicas. Ele lutaria a partir de então apenas com dentes, garras, força e trovões.

Longe de ser diminuído, Volibear descobriu que seu poder total estava agora liberado. Quando a poeira baixou, Pedra-Lar era uma caldeira fumegante, e o povo de Sangue da Fornalha foi reduzido a ossos e cinzas espalhados. Embora nunca admitisse, Ornn ficou arrasado. Através dos Sangue da Fornalha ele vislumbrou o potencial arrebatador da vida mortal, apenas para ver tudo perdido sob a ira indiscriminada de sua luta imortal. Arruinado pela culpa, ele se retirou para o isolamento de sua fundição e se enterrou em seu trabalho por uma era.

Com raiva recém-descoberta, Volibear confrontou uma das irmãs mortais, uma das irmãs mortais, que procurou roubar o poder dos semideuses para si mesma. Diante de todo o seu exército, ele a derrubou, cegando-a, mas ele foi incapaz de parar o que ela já havia posto em movimento.

Cada uma das três irmãs pagou um preço terrível pelo poder que buscavam. Tentando comandar os céus acima deles, Serylda perdeu a voz para o primeiro crepúsculo. Avarosa enfrentou a escuridão retorcida sob o mundo e ficou ensurdecida por seu vazio, esperando para consumir toda a criação. Lissandra foi cegada pelo próprio Volibear.

Embora cada irmã tivesse perdido uma parte de si mesma, foi nos campos congelados das muitas batalhas de Lissandra que elas foram capazes de se unir e prevalecer. Juntos, elas eram imparáveis... mas mesmo um vínculo de sangue só podia resistir a tanto.

Com a visão roubada, Lissandra preferiu andar em sonhos. Enquanto navegava pelas visões irregulares daqueles ao seu redor, ela percebeu que só ela podia ver a escuridão abaixo do que era: o abismo persistente prometia não apenas um final, mas infinito. Era a morte, perigosa e cheia de potencial. Sem que suas irmãs soubessem, Lissandra fez um acordo em nome delas com as entidades divinas com as quais ela se comunicou – os Observadores lhes concederiam quase imortalidade em troca de preparar Runeterra para a vinda do Vazio.

As três irmãs e seus seguidores mais poderosos foram nomeados Glacinatas. Aqueles com essa capacidade de suportar o pior da geada entorpecente seriam poupados até o fim.

A Batalha dos Abismos Uivantes

Avarosa argumentou que a única coisa pior que a morte era a servidão. Até Serylda se irritou contra o que aconteceria com o mundo pelo qual lutaram tanto. Apanhada no meio, Lissandra tentou acalmar as preocupações de suas irmãs enquanto apelava para os Observadores por mais tempo, mas o nada incognoscível não se importava com tais banalidades.

Em um dia fatídico, as hordas de Glacinatas de Avarosa e Serylda marcharam para as montanhas, para enfrentar Lissandra diante dos muros de sua própria fortaleza. No auge desse confronto amargo, os Observadores finalmente chegaram a Runeterra e mostraram o que realmente eram.

Naquele momento, as únicas escolhas de Lissandra eram deixar todo o mundo ser consumido, ou desistir do que ela mais gostava - Lissandra sacrificou suas irmãs e os aliados que eles reuniram, sepultando os Observadores sob uma barreira de gelo mágico que nunca poderia ser derretido.

Lissandra logo descobriu que mesmo esse poder elemental não era suficiente. Os seres monstruosos que ela congelou estavam apenas adormecidos, lentamente manchando o Gelo Verdadeiro ao redor deles em algo mais sombrio. Agora, eles vagavam pelos sonhos de Lissandra tão facilmente quanto ela tinha os deles, e sempre ela acordava, aterrorizada, professando sua lealdade à eternidade arrepiante que eles prometiam.

Tribos Divididas

Os Freljordianos formam um povo dividido, envolto em rivalidades tribais que surgem da luta pelo controle dos escassos recursos que a terra oferece. Nesse cenário desafiador, a batalha tornou-se uma parte essencial de suas vidas, e as cicatrizes resultantes são reverenciadas como sinais de força, coragem e experiência.

A crença comum entre os Freljordianos é que uma morte digna só pode ser enfrentada com os olhos abertos. A história da nação é marcada por conflitos incessantes entre tribos, com raras exceções de união, como na época lendária das "Três Irmãs". Durante esse período, as irmãs e seus aliados mais próximos foram agraciados com a imortalidade pelos Observadores, passando a serem conhecidos como os Glacinatas.

Após a derrota dos Observadores, grande parte da história de Freljord foi reescrita pelos Præglacius, que mantêm a verdade em segredo. No entanto, algumas verdades persistem como lendas e contos transmitidos por contadores de histórias e bardos ao longo de milênios.

Apesar da diversidade de tribos, as maiores entre elas são os Avarosianos, os Garras do Inverno e os Præglacius. Cada tribo é liderada por uma Matriarca proeminente: Ashe, a Arqueira do Gelo; Sejuani, a Fúria do Norte; e Lissandra, a Bruxa Gélida. Essas líderes desempenham papéis cruciais nas dinâmicas políticas e sociais da região, moldando o destino de Freljord com suas decisões e ações.