From Instituto da Guerra

Piltover

“Se a força motriz de Piltover são suas invenções, então as forjas são as engrenagens.”

Em um despenhadeiro majestoso, erguendo-se acima do distrito de Zaun e contemplando o vasto oceano, encontra-se Piltover, uma cidade onde o poder e a influência florescem como nunca antes. Nesse centro cultural de Valoran, a sinergia entre arte, artesanato, comércio e inovação não é apenas evidente, mas é o próprio motor que impulsiona a cidade para o futuro.

Piltover é uma metrópole que não se sustenta apenas por soberania militar, mas encontra sua força nos motores de comércio e no pensamento visionário. Frotas imponentes navegam pelos seus gigantescos portões marítimos, trazendo consigo tesouros e iguarias de todos os cantos do mundo. A riqueza gerada por esse intercâmbio constante não apenas enriquece os cofres da cidade, mas alimenta um crescimento sem precedentes.

A cidade, em constante transformação, é um terreno fértil para sonhadores e empreendedores. Clãs de mercadores, em busca de fortuna e prestígio, investem em projetos ambiciosos que abrangem desde loucuras artísticas até pesquisas hextec exóticas. A paisagem urbana é adornada com monumentos arquitetônicos que testemunham o poder e a visão dos que moldam o destino de Piltover.

Os artesãos mais habilidosos do mundo são atraídos para essa cidade, onde o conhecimento de hextec se tornou uma história tecida nos sons das engrenagens e nas faíscas de inovação. Piltover não é apenas uma cidade; é um ímã que atrai a destemida criatividade de inventores e artistas, construindo um futuro que é tão promissor quanto as estrelas acima do despenhadeiro.

O Dia do Progresso

Zaun finalizou seus planos para destruir uma parte do istmo que liga Valoran ao continente de Shurima, permitindo uma passagem marítima segura entre o leste e o oeste de Valoran. O plano envolvia o uso de milhares de bombas quimtec para abrir uma área da terra para que uma caverna pudesse ser criada, mas os resultados foram catastróficos.

No que parecia ser um acidente, as bombas desencadearam uma série de terremotos que destruíram completamente o istmo e afundaram grandes distritos de Zaun e milhares de seus cidadãos, além de vazar gás venenoso nas áreas sobreviventes da cidade.

Janna, fortalecida pelas orações do povo de Zaun, chegou e dispersou o gás, salvando muitas vidas e sendo eternamente lembrada pelos habitantes de Zaun, convertendo-a de uma deusa da fé para os marinheiros em uma divindade guardiã de Zaun. Ela ainda não deixou Zaun após este evento.

Eventualmente, Zaun foi reconstruída. Para regular a passagem do rio sobre o qual foram construídos, os Portões Solares foram construídos, obrigando todo o transporte pelas águas a ser regulado por Zaun. Isso trouxe imensa riqueza para a cidade e provavelmente levou à construção e elevação de Piltover, pois as famílias governantes controlavam os impostos e o comércio produzidos pelos Portões Solares, levando à formação dos verdadeiros clãs mercantis.

Foi então formado o Dia do Progresso, um festival anual de Piltover e Zaun. O foco principal deste evento é a celebração do progresso tecnológico da cidade. Neste dia, muitos prêmios e promoções são dados às mentes mais brilhantes de toda Runeterra que estão dispostas a contribuir para o avanço da cidade, bem como a vitrine de inovações em toda a cidade.

Em Piltover, o Dia do Progresso marca o momento em que os Portões Solares se abriram pela primeira vez, permitindo que o comércio passasse facilmente entre o leste e o oeste de Valoran. Também marca o momento em que a tributação desse comércio transformou o fio de ouro que entrava nos cofres da cidade em um rio de fluxo rápido.

Em Zaun, é um dia para lembrar aqueles perdidos na agitação geológica que criou a passagem leste-oeste e submergiu distritos inteiros debaixo d'água.

Este dia também é quando os aprendizes de Piltover são recebidos em audições nos Clãs Mercantis, os melhores dos melhores são selecionados para ingressar nas posições ricas do clã, trabalhando com o melhor que Piltover pode oferecer.

Comércio e Progresso

O pulsar constante do comércio, como o bater de um coração vigoroso, é a essência vital de Piltover. O domínio da principal rota marítima entre leste e oeste encheu seus cofres de ouro, dando-lhe não apenas prosperidade, mas também uma influência que se estende por toda Valoran. Contudo, essa vantagem também abriu as portas para a expansão do império noxiano, permitindo que suas legiões e suprimentos se deslocassem com notável facilidade.

No entanto, com a riqueza veio a sombra da Águas de Sentina, uma morada para piratas e saqueadores que encontram nos mares uma oportunidade para atacar as rotas comerciais de Piltover. O clima, geralmente ameno em torno da cidade, pode se transformar rapidamente, envolvendo os cais e armazéns em neblina marítima.

Os cais de Piltover, sempre repletos de atividade febril, oferecem oportunidades para todos os que têm a força e a determinação necessárias para o trabalho árduo. Os sons de cem sotaques distintos ecoam pelas ruas portuárias, enquanto dezenas de navios de todas as procedências deslizam pelos majestosos Portões do Sol diariamente.

A natureza cosmopolita de Piltover reflete-se em sua população diversificada, embora todos compartilhem um caráter singular. Os cidadãos são autossuficientes, jamais esperando favores alheios, e sempre aspiram a superar-se. Resistentes à interferência externa, veem um mercado aberto e livre como a espinha dorsal para a contínua prosperidade da cidade.

Apesar das aparências de distanciamento entre Piltover e Zaun, esses dois polos estão entrelaçados por laços biológicos e culturais mais profundos do que muitos desejam admitir abertamente.

Clãs Mercantis

Em Piltover, os clãs mercantis erguem-se como pilares de influência e prosperidade, cada qual adornado com um símbolo distintivo que permeia casas, oficinas, remessas, armazéns e inovações. Esses emblemas são mais do que meros adornos visuais; cada um carrega consigo uma tapeçaria de significados e interpretações, alguns explícitos e outros ocultos nas dobras da tradição e do simbolismo.

A distinção entre um clã e uma casa revela-se em suas dimensões e estruturas. Os clãs, grandiosos e abertos, não se limitam à consanguinidade, conectando membros não apenas por laços familiares, mas também por associações e influências políticas que transcendem o simples vínculo sanguíneo.

A Casa Talis, por exemplo, mesmo imersa nas potencialidades da hextec, ainda busca financiamento para suas inovações, destacando a complexa interseção entre prestígio, política e a busca incessante por progresso em Piltover.

O Conselho

Nas entranhas da progressiva Piltover, o destino da cidade é tecido pelas mãos de um conselho exclusivo, formado pelos clãs mercantis mais ricos e influentes. Esse conselho, composto por sete assentos fixos, testemunhou a passagem do tempo, com membros como Heimerdinger, que serviram desde a fundação da cidade.

Movidos por uma constante busca pelo aprimoramento social e ambiental, os clãs dedicam-se incansavelmente a implementar as últimas inovações científicas da cidade-estado. Recentemente, o Clã Medarda persuadiu os outros a investirem uma fortuna na incorporação do poder da hextec, visando otimizar a abertura e o fechamento dos majestosos Portões Solares.

Embora o benefício para o tráfego e o lucro seja evidente, os cidadãos, geralmente perspicazes e idealistas, têm demonstrado pouco descontentamento até agora.

Surpreendentemente desmilitarizada em comparação com outras cidades-estados de Valoran, Piltover, no entanto, não negligencia a sua segurança. Mesmo confiando em sua abordagem pacífica, a cidade mantém um esquadrão de navios de guerra, vigilantes e prontos para proteger os imponentes Portões Solares. O equilíbrio entre inovação, prosperidade e segurança é a chave para a harmonia na vida agitada desta metrópole elevada.

A Guilda de Exploradores

Na agitada tapeçaria de Piltover, uma guilda emerge como o eco dos anseios exploratórios que pulsam no coração de seus habitantes. Destinada aos piltovenses que anseiam desvendar os mistérios de Runeterra, esta associação se torna um farol para aqueles que buscam testar os limites da descoberta.

A conquista de uma afiliação a esta guilda não é uma jornada trivial. Requer o desvendar de enigmas arqueológicos, a recuperação de artefatos perdidos e a meticulosa documentação de jornadas pelos lugares mais misteriosos de Runeterra. Cada associado é convocado a apresentar feitos extraordinários que atestem seu comprometimento com a exploração e a preservação do conhecimento perdido.

Uma vez investidos nessa venerada guilda, os membros tornam-se os guardiões e patronos da riqueza arqueológica de Runeterra. A eles cabe o dever de financiar, monitorar e adquirir artefatos que narram os segredos enterrados em cada região do vasto continente. Esses preciosos tesouros são então destinados à pesquisa ou ornamentam os corredores dos inúmeros museus de Piltover, onde os sons do passado ecoam em um convite à imaginação e à exploração.